Projecto

Este projeto visa introduzir em Portugal uma nova área interdisciplinar, Medicina Narrativa (NM–Narrative Medicine) ou Humanidades Médicas, seguindo o exemplo do que se tem feito em países como os EUA, o Canadá e o Reino Unido. A NM oferece uma moldura de humanização na resposta à doença e ao sofrimento, complementar dos desenvolvimentos da Medicina Baseada na Evidência (EBM–Evidence-based Medicine) (Parker 2005).

A emergência de um paradigma duro no exercício da arte médica, de base tecnológica (Antunes 2012) gerou insatisfação pela subalternização do diálogo com o doente, da escuta atenta do seu relato e respectiva descodificação e interiorização (Marques 2003). Os anos 90 do séc. XX testemunharam a emergência de programas pós-graduados interdisciplinares nesta área, tirando partido das humanidades em geral (história da medicina, filosofia e ética em particular) e sobretudo dos avanços registados nos estudos literários (close reading, narratologia, estudos de recepção, crítica ética – Fernandes 2011a), bem como nos estudos fílmicos e história de arte. O interesse por tais interfaces foi parcialmente determinado pela consciência por parte dos profissionais de saúde da ‘mercantilização dos cuidados de saúde’ (Charon 2006) ou do estabelecimento de uma ‘cultura empresarial’ (Antunes 2012) e da crescente, senão exclusiva, dependência dos recentes meios auxiliares de diagnóstico em contexto clínico. À leitura dos sinais do corpo deve aduzir-se uma descodificação das narrativas e outros indícios verbais e não-verbais dos doentes. Tal requer uma predisposição cognitiva particular que só uma formação humanística – aliada ao conhecimento e à experiência clínica – pode promover (Tauber 2009). Esta investigação e prática exigem a colaboração interdisciplinar e uma equipa multidisciplinar de Humanidades Médicas, como a que propomos, cujos membros maioritariamente já desenvolveram trabalho na área, entre 2009 e 2011.

Trata-se dum projecto em que a componente pedagógica é decisiva para a consolidação da NM no país e em que o sucesso daquela depende da partilha intelectual e da observação directa de modelos já testados (ex. Program in Narrative Medicine, Columbia), estando prevista a formação de formadores portugueses em instituições congéneres com programas de formação avançada. A presença como consultora da médica e crítica literária Rita Charon, directora do programa pioneiro em Columbia e referência internacional na área, é uma indiscutível mais-valia.

Decisiva é ainda a colaboração articulada de 3 unidades de I&D que na Europa têm prosseguido trabalho nesta área: 1) Centre for the Humanities and Health, King’s College – investigação e acções concretas desde 2002 e responsável pelo respectivo ensino pós-graduado; 2) Laboratoire d’éthique médicale, Univ. Paris Descartes – em 2011-12 – introdução do ensino avançado em Médecine et Humanités; 3) CEAUL – Centro de Estudos Anglísticos da UL – desde 2009 com iniciativas diversas na área e preparando em 2012 a primeira unidade curricular interinstitucional de pós-graduação em NM na UL.

No âmbito da formação avançada, organizar-se-á uma antologia de passos de textos literários ficcionais e não-ficcionais traduzidos para português, enquadrados por nota introdutória e palavras-chave/ glossário. Este material destina-se a uso em aula, ficando disponível para utilização fora do espaço académico.

Crucial é ainda a criação dum seminário permanente como espaço privilegiado de discussão dos resultados da pesquisa efectuada, fomentando o diálogo trans- e interdisciplinar. Tornar a partilha científica uma prática continuada visa gerar a consolidação de metodologias e saberes numa área inovadora em que o grupo se afirma como pioneiro. Tal pioneirismo acompanha-se dum sentido de responsabilidade pública, expressa na elaboração de acções em articulação com instituições de saúde e sociedades científicas, no intuito de abrir a NM à sociedade civil.

Promover espaços de diálogo e intercâmbio não só entre os investigadores nacionais e estrangeiros dos centros envolvidos, mas também destes com forças vivas da saúde ou das humanidades, leva-nos a propor a realização de uma Jornada (Nov. 2013), sinalizando o fim dum primeiro ano de trabalhos e permitindo-nos apresentar os resultados decorrentes. O colóquio internacional (Jun. 2014) dará visibilidade à investigação, promoverá o diálogo científico e preparará o balanço final.

A elaboração gradual de um levantamento bibliográfico nesta área interdisciplinar e a criação da respetiva base de dados para disponibilização online é tarefa contínua do projeto.

Como resultados esperados, destacam-se: 1) lançar campo de estudo inovador em Portugal a ser desenvolvido para além dos 2 anos do projeto; 2) oferta regular de UC em programas de pós-graduação integrados; 3) criar bases de investigação (núcleo bibliográfico, produção científica específica) e de ensino (formação de formadores, publicação de antologia) que permitam a sedimentação da NM entre nós.